Procura-se parte da ação da Nike e CBF extraviada do TJ

/ 10:21 - 05/11/2017

Autores pediram instauração de inquérito policial e expedição de mandado de busca e apreensão, mas o motivo foi extraviado


Mistério. Procura­- s e c o m urgência partes do processo judicial conjunto ingressado pela empresa de material esportivo Nike, Confede­ração Brasileira de Futebol (CBF), Flamengo-RJ e pelo Corinthians-SP no Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL). Os autores da ação reque­rem do Judiciário a instau­ração de inquérito policial e a expedição de mandado de busca e apreensão. Mas não se sabe o motivo e o teor da solicitação, pois esta parte dos autos foi extraviada. O réu deste processo não está identificado. O extra­vio foi constatado durante trabalho de correição na 4ª Vara Criminal da Capital, conforme consta nos autos que a reportagem de O DIA ALAGOAS teve acesso.

No último dia 30 de outu­bro, o juiz da 4ª Vara Criminal da Capital, Josemir Pereira de Souza, determinou, em despacho, o envio de ofício à Delegacia Geral da Polícia Civil do Estado, solicitando no prazo improrrogável de cinco dias, cópias do inqué­rito policial ou o que constar a respeito do processo que tem como autores a NIKE, CBF, FLA, Timão e também a Justiça Pública.

Em março deste ano, o magistrado havia enca­minhado ofício à CBF informando que parte dos documentos dos autos foi extraviada em 2004, em razão do lapso temporal, e ainda solicitou o envio da ação. “Solicitamos o envio de cópias referentes ao requerimento de instauração de inquérito poli­cial e expedição de mandado de busca e apreensão, se por ventura existirem na sede da CBF”, pede Josemir Pereira em ofício (reproduzido abaixo) encaminhado à CBF. No documento, o magistrado ainda procurou saber se a entidade máxima que admi­nistra o futebol no Brasil teria o interesse no andamento do processo. A CBF não respon­deu como consta no trâmite do processo. A ação foi ingressada no TJ/AL no dia 12 de novembro de 2004.

ofício

LEIA MATÉRIA COMPLETA NA EDIÇÃO DE O DIA ALAGOAS DESTA SEMANA, JÁ NAS BANCAS

 


Comentar usando