, Sexta-Feira - 19 de Outubro de 2018

 

Pesquisadora alagoana debate vida de canhotos em novo filme

Assessoria / 12:22 - 11/08/2018

Documentário será lançado em Maceió, no dia 13 de agosto, no Dia Mundial dos Canhotos


Neurociência e educação inclusiva. Cultura mundial e impactos sociais. Com lançamento marcado para o dia 13 de agosto, o documentário alagoano “Admirável Mundo Destro” promove um diálogo inédito entre pesquisadores do Brasil e da Inglaterra sobre a vida das pessoas canhotas.

De um lado, um dos maiores estudiosos do tema no mundo, o professor Chris McManus, da University College London, autor do livro “Right Hand, Left Hand” (Mão Direita, Mão Esquerda, ainda sem tradução no Brasil). De outro, a professora alagoana Andreza Fabrícia da Silva, da Universidade Federal de Alagoas, com mais de 15 anos de pesquisas sobre educação infantil. No centro do debate, o desenvolvimento de quem nasceu à esquerda de um mundo planejado para destros.

“Os canhotos são a última grande minoria negligenciada”, provoca o professor no trailer do curta-metragem. “Quantos canhotos não se perderam enquanto identidade em seus processos de escolarização?”, questiona a professora.

Para a diretora do filme, Luiza Leal, promover o diálogo é importante para demonstrar como a questão das pessoas canhotas é universal. “Não se limita ao Brasil ou à Inglaterra, é algo presente no mundo inteiro e que precisamos conectar”, diz Luiza.

O filme

O documentário visita cidades no Brasil e na Europa para mostrar o cotidiano em comum de quem nasceu à esquerda da sociedade e refletir sobre como o lado esquerdo tem sido associado ao mal na história da humanidade. As imagens foram rodadas em Maceió (AL), Rio Largo (AL), Bodocó (PE), Ouricuri (PE) e Londres (Inglaterra).

Produção independente do Piracema Studio, o curta-metragem tem participação do ator alagoano Alex Cerqueira e entrevistas com personagens canhotos e também especialistas no tema.

“Admirável Mundo Destro” é o primeiro filme da diretora Luiza Leal, paulistana que vive em Maceió há três anos. Luiza é formada em Jornalismo, mas sempre trabalhou como tradutora e publicitária. Ela é canhota e, desde criança, precisou se adaptar às pequenas coisas que não são feitas para a mão esquerda.

 

O lançamento será no dia 13 de agosto, às 19h30, no Johny’s Bar, bairro da Pajuçara, em Maceió. A entrada é gratuita.

No site do filme, pessoas canhotas também podem compartilhar suas experiências de vida em um mundo feito para destros. O portal traz ainda informações sobre as locações e os personagens entrevistados pelo documentário, além do trailer do documentário. Acesse: www.piracemastudio.com/nacaocanhota

 


Comentar usando