ONU Brasil promove Copa da Integração entre refugiados em SP

/ 12:22 - 27/07/2017

Torneio reunirá, neste final de semana, refugiados, solicitantes de refúgio e migrantes de mais de 20 países para uma série de amistosos de futebol


A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) promove a partir do próximo domingo (30) a Copa da Integração em São Paulo, série amistosos de futebol que terão como protagonistas refugiados, solicitantes de refúgios e migrantes residentes na capital do estado.

As partidas contarão com regras especiais, desenvolvidas com base no processo de integração dos participantes à sociedade brasileira. Por exemplo, as equipes serão compostas de forma mista, envolvendo em um mesmo time homens e mulheres de diferentes nacionalidades e status de permanência.

“Esta é uma forma de valorizar as diferenças, sejam elas de gênero, cultura, nacionalidade ou idade. Essas diferenças são apenas elementos que enriquecem a sociedade, contribuindo para o respeito e para a diversidade”, afirma Jean Katumba, refugiado congolês e idealizador do projeto, que vive no Brasil há quatro anos.

Campeonato em São Paulo aborda integração de refugiados por meio do esporte (Foto: ACNUR/Emiliano Capozoli)

As pessoas que participarão da Copa de Integração são provenientes de mais de 20 países e moram nos abrigos públicos de São Paulo, como a Casa de Passagem Terra Nova, a Casa de Acolhida Nossa Senhora Aparecida, Sefras Migrante, o Arsenal da Esperança, a Casa São Lázaro, a Associação Palotina e o centro de imigrantes da Missão Scalabriana.

Essa é a quarta edição do campeonato. Torneio está sendo organizado em parceria com a organização África do Coração, com a Cáritas Arquidiocesana de São Paulo e com o SESC-SP – os jogos serão realizados no SESC Itaquera. A competição também recebe o apoio das empresas Netshoes e Sodexo.

“O esporte é um meio efetivo de integração porque promove a sociabilização, propicia a vivência do lazer e atua como um exercício de saúde mental para essas pessoas que enfrentaram situações muito delicadas. A Copa da Integração traz uma visibilidade muito positiva ao contexto das pessoas em situação de refúgio, reforçando suas capacidades e resiliência”, reconhece a chefe do escritório do ACNUR em São Paulo, Isabela Mazão.

 

Além da Copa da Integração, esses mesmos parceiros institucionais estarão envolvidos na realização da IV Copa dos Refugiados, que acontecerá em agosto, nos dias 13, 20 e 27. O campeonato será disputado por 16 seleções compostas por refugiados também residentes em São Paulo. Iniciativa é da África do Coração.

O Brasil tem um lugar especial no esporte no que diz respeito à representação dos refugiados. Foi no país, nas Olimpíadas e Paralimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, que atletas refugiados montaram comitivas para disputar os jogos pela primeira vez na história. Os grupos contaram com atletas que já moravam no Brasil e outros abrigados em países europeus, como a porta-bandeira da delegação olímpica, a síria Yusra Mardini, que nadou mais de três horas em mar aberto, empurrando o bote com 30 pessoas no qual estava fazendo a travessia entre a Turquia e a Grécia depois que o motor do barco quebrou.

Delegação de Atletas Refugiados sendo apresentada pelo COI em 2016 (Foto: Edgard Matsuki/Portal EBC)

Delegação de Atletas Refugiados sendo apresentada pelo COI em 2016 (Foto: Edgard Matsuki/Portal EBC)


Comentar usando