Oficina de “comida crua” apresenta nova perspectiva sobre alimentação saudável

Mariana Lima / 5:10 - 06/12/2017

Curso em Maceió, neste sábado, apresenta o universo da culinária viva a quem busca alternativas saudáveis de alimentação


A invenção do fogo foi um divisor de eras na história da humanidade, mas pode ter entrado no caminho da transmissão de informação e nutrientes entre a terra, os alimentos e as pessoas. Por isso, a alimentação viva, conhecida também como crudivorismo, baseia-se em alimentos naturais crus, frescos e secos, hidratados em seguida. Uma oficina de culinária crua no próximo sábado (09), em Maceió, pretende apresentar este modo de alimentação e receitas que podem ser preparadas por qualquer pessoa no dia a dia.

Oficina de culinária viva também desperta reflexão sobre qualidade de vida (Foto: arquivo pessoal/Geanne Cardoso)

Oficina de culinária viva também desperta reflexão sobre qualidade de vida (Foto: arquivo pessoal/Geanne Cardoso)

Esta não é uma “nova onda” ou a “última moda” no quesito estilo de vida e alimentação, como têm surgido tendências nos últimos anos. Os crudívoros mais antigos que se tem notícia foram os essênios, povo que habitou a Palestina de 2 a.C até o ano 68 da era cristã. No Brasil, aflorou na década de 1980, através da professora Ana Branco e seu projeto Biochip.

“Atualmente temos esse tipo de culinária dividido em duas vertentes básicas: a alimentação viva e o fruigivorismo. Geralmente, essa dieta é associada aos veganos crudívoristas, ou seja, aquelas pessoas que seguem a filosofia vegana e que optaram por não cozer seus alimentos, preferindo utilizar o sol, desidratadores ou processos de fermentação em seus preparos”, explica Geanne Cardoso, relações públicas e culinarista que irá ministrar a oficina deste sábado.

Quando se descobriu celíaca (doença que provoca intolerância ao glúten) e intolerante à lactose, Geanne decidiu deixar de comer carnes também.  “Estava pesquisando sobre alimentação desintoxicante quando cheguei a conhecer a alimentação crua e viva. Comecei pelos sucos verdes, os germinados e até hoje continuo a aprender novas preparações”, conta a maceioense de 29 anos, que encontrou um grupo de pessoas com esse mesmo objetivo na cidade, o Coletivo Maria Semente.

A pesquisa evoluiu ao ponto de Geanne criar um canal no Youtube – o Canal Restrito – e passar a ministrar oficinas como a deste sábado, que não vai apenas apresentar receitas isoladas, e sim “um dia crudívoro”.

“Teremos opção de café da manhã, lanches, almoço e jantar. E tudo bem prático para quem está começando a cozinhar poder acompanhar tranquilamente”, convida Geanne Cardoso.

Para matar a curiosidade alheia, ela liberou uma pequena entrada do que será apresentado na oficina: leite vegetal.

Mistura sendo coada no voal (Foto: divulgação)

Mistura sendo coada no voal (Foto: divulgação)

 

Essa é uma receita básica na vida de um “crudi”. Vou mostrar a receitinha do leite de amêndoas que é o que eu mais gosto.

Pegue um copo de amêndoas cruas e ponha de molho na água de um dia para o outro. Retire a água, lave as amêndoas, retire a pele que a envolve (ou não) e liquidifique com quatro copos de água.

Coe num voal e o leite de amêndoas está pronto.

 

A oficina de Culinária Crua será realizada no Espaço Nise (Rua Miguel Palmeira, 500, Pitanguinha). Inscrições a R$ 40,00 pelos telefones 98862-5437 e 99913-8207.

Divulgação

Divulgação


Comentar usando