Boa Noite!, Segunda-Feira - 20 de Agosto de 2018

 

HGE registra queda de 507 atendimentos a mulheres vítimas de violência

Agência Alagoas / 12:20 - 11/06/2018

As agressões corporais caíram de 1.651 vítimas em 2015 para 1.338 no ano passado


Dados dos órgãos de segurança pública apontam que, muitas vezes, a violência contra a mulher é praticada por alguém do seio familiar, afetando a vítima tanto física quanto psicologicamente.

À vista disso, o Sistema de Informação de Registro de Entrada do Hospital Geral do Estado (HGE) aponta que, em 2015, foram registrados 3.477 atendimentos relacionados às várias formas de violência contra as mulheres, enquanto que, em 2017, foram 2.970, uma diminuição de 507 atendimentos no período de dois anos.

Patrulha Maria da Penha protege mulheres em situação de risco em Maceió

O levantamento revela que entre as principais causas para a entrada de mulheres no hospital está a agressão. No caso de violência corporal, o número de atendimentos caiu de 1.651 vítimas em 2015 para 1.338 no ano passado.

Quanto ao número de agressão por arma branca (faca, estilete, martelo) e de fogo, a unidade hospitalar prestou assistência a 792 vítimas por arma branca e 1.031 por arma de fogo em 2015 e 614 e 1.006, respectivamente, em 2017.

De acordo com o cirurgião-geral do HGE, Amauri Clemente, as mulheres vítimas de violência física, psicológica, sexual, moral e patrimonial buscam o hospital quase sempre sozinhas ou são encaminhadas por meio das polícias Civil e Militar ou pelos próprios familiares. “De longe, a física é a forma mais frequente de violência sofrida pelas mulheres que chegam aqui. A maioria dessas pacientes vem por conta do espancamento. Elas revelam ter levado chutes, empurrões ou batidas. Há ainda casos mais graves, como ameaças com facas ou armas de fogo e tentativas de estrangulamento”, disse o médico.

Redução da violência contra a mulher (Fotos: Carla Cleto e Neno Canuto)Segundo o cirurgião -geral do HGE, que atua há 28 anos no maior hospital público do Estado, os autores da violência contra as mulheres é, majoritariamente, os cônjuges ou ex-companheiros. Há, também, em número reduzido, a agressão física por parte de casais homossexuais.

“Quando elas dão entrada no hospital, imediatamente chamamos a equipe do Núcleo de Serviço Social, pois muitas mulheres não querem denunciar quem as agrediu, por receio da reprovação da sociedade e da família, por acreditarem que não vai adiantar nada, por dependerem financeiramente do parceiro ou parceira, mas, também, por desconhecimento”, esclareceu o médico.

As partes do corpo mais afetadas durante os espancamentos, conforme Amauri Clemente, são a cabeça e o tórax. “Os homens provocam lesões nas mulheres por meio da pressão exercida em alguma parte do corpo, batendo ou socando, a exemplo quando ela está com o ‘olho roxo’. Provavelmente, ela foi vítima de um instrumento contundente, que pode ser desde a mão a um pedaço de madeira”, detalhou.

Para o médico, a redução no número de atendimentos no hospital deu-se por inúmeros fatores, entre os quais, ele destaca a Lei Maria da Penha, que criou mecanismos efetivos para coibir a violência doméstica e familiar praticada contra as mulheres. Também segundo o profissional, a discussão que é feita, todos os dias, nas rádios, televisão, internet e nos jornais contribui para a redução dos casos.

“Já atendi uma mulher que apanhava os sete dias da semana. Hoje elas estão mais seguras e, caso sintam algum enquadramento por parte dos seus cônjuges, podem tomar as providências necessárias. Sem dúvida, as mulheres estão mais bem informadas e conscientes sobre os variados tipos de violência que podem vir a sofrer”, afirmou.

Mulheres protegidas

Desde abril, mulheres vítimas de violência vêm sendo assistidas pela Patrulha Maria da Penha, em Maceió. O programa, de iniciativa das Secretarias de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh) e Segurança Pública (SSP),faz parte do Termo de Cooperação Técnica firmado com o Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ-AL), Ministério Público do Estado (MPE) e Defensoria Pública do Estado de Alagoas (DPE/AL).

A Patrulha garante um atendimento e acompanhamento mais humanizado às mulheres vítimas de violência, possibilitando que elas denunciem o agressor com mais segurança. Os militares atuam com ações ostensivas e protetivas, especializadas no combate à violência contra a mulher e verificam, por meio de visitas, se as medidas protetivas solicitadas pelo 4º Juizado estão sendo cumpridas.

De acordo com a comandante da Patrulha, capitã Daniele Assunção, o trabalho protetivo, muitas vezes, é sigiloso, para não expor às mulheres vítimas de violência a situações de risco. “Para fazer cumprir as medidas protetivas, determinadas pelo 4º Juizado, a Patrulha está nas ruas todos os dias, inclusive nos fins de semana. O agressor pode ser preso, caso seja pego em flagrante, se descumprir as medidas judiciais. Com isso, todas as mulheres assistidas hoje estão sendo amparadas”, explicou.

Apesar de atuar apenas na capital, a pretensão é levar os serviços da Patrulha a outros municípios do Estado. “Sabemos dessa necessidade, de mulheres que sofrem violência em outros municípios. Queremos fazer esse processo de interiorização. Sabemos da importância do atendimento, que é o de atuar como braço protetor do Estado”, completou Daniele Assunção.

Delegacias

Redução da violência contra a mulher (Fotos: Carla Cleto e Neno Canuto)

 A Polícia Civil de Alagoas possui três Delegacias de Defesa da Mulher, sendo duas em Maceió e outra em Arapiraca, além de Núcleos da Mulher, que funcionam nas Delegacias Regionais de Delmiro Gouveia e São Miguel dos Campos, assim como nas Delegacias de Maragogi e Rio Largo.

Em todas elas, as mulheres vítimas de violência têm atendimento especializado e podem confeccionar boletim de ocorrência contra os agressores. Além das unidades direcionadas à mulher, as demais Delegacias e as Centrais de Polícia do Estado estão disponíveis para atender os casos e realizar o direcionamento específico que cada caso requeira.


Comentar usando