Bom Dia!, Domingo - 19 de Agosto de 2018

 

FHC presta depoimento como testemunha de defesa de Lula

Redação com Notícias ao Minuto / 5:42 - 11/06/2018

Ex-presidente foi ouvido por Sérgio Moro dentro das investigações sobre o sítio de Atibaia


O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso prestou depoimento como testemunha de defesa de Lula, nesta segunda-feira (11), dentro das investigações sobre o sítio de Atibaia. Ele foi ouvido pelo juiz Sérgio Moro, por meio de videoconferência, a partir do fórum da Justiça Federal em São Paulo.

FHC voltou a afirmar que o presidente não tem condições de saber de tudo que acontece na administração pública durante seu governo. “No Brasil as pessoas pensam que o presidente pode tudo e sabe tudo”, afirmou.

Ele concordou com a tese da defesa de Lula de que a responsabilidade de eventuais problemas na Petrobras não pode ser transferida para o presidente, acrescentando que não há tempo de saber dos meandros da administração.

Questionado pela defesa, FHC confirmou que teve encontros com Emilio Odebrecht, assim como com outros empresários. “Eu falava com todo mundo e continuo falando. A função de quem está governando não é escolher o interlocutor. Tem que lidar com personagens públicos”, disse.

A pergunta se deveu ao fato de que na semana passada, foi anexada aos autos de um dos processos em que Lula é réu uma troca de mensagens entre FHC e Marcelo Odebrecht. Na ocasião, Fernando Henrique pediu ao empresário fundos para a campanha ao Senado de dois tucanos em 2010 – Antero Paes de Barros e Flexa Ribeiro. O pedido foi feito por email e localizado por peritos da Polícia Federal nos discos rígidos do computador de Odebrecht.

O empresário concordou com o auxílio financeiro, mas, na prestação de contas dos candidatos ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), não constam registros de doações oficiais da Odebrecht.

No depoimento, FHC afirmou, ainda, que também recebeu doações de entidades privadas para realizar a manutenção de seu acervo presidencial. “Está tudo registrado.”

Retomada dos depoimentos

As audiências referentes ao inquérito foram retomadas em maio. Foram arroladas mais de 130 pessoas pelas defesas dos réus. A ex-presidente Dilma Rousseff também prestará depoimento, no dia 25 de junho, também por videoconferência, a partir de Porto Alegre. Entre as pessoas já ouvidas pelo magistrado estão o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e o ex-ministro do governo petista Gilberto Carvalho.

O ex-presidente Lula é réu no processo pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Na denúncia, o Ministério Público Federal (MPF) acusa o petista de estruturar, orientar e comandar esquema ilícito de pagamento de propina em benefício de partidos, políticos e funcionários públicos.

A força-tarefa da Lava Jato sustenta ainda que Lula, quando era presidente, nomeou diretores da Petrobras para praticar crimes em benefício das empreiteiras Odebrecht e OAS. Em troca, recebeu propina das construtoras de forma disfarçada por meio de obras feitas no sítio. O ex-presidente nega as acusações.

 


Comentar usando