Boa Tarde!, Sábado - 23 de Junho de 2018

 

Diálogo em tempos de campanha: ponderar a comunicação para melhor conviver

Iracema Ferro / 8:30 - 09/06/2018

Maceió recebe curso de Comunicação Não Violenta em prazo oportuno para manter amizades no período eleitoral


Brigas por política só ajudam a desviar do que realmente importa (Reprodução Guilherme Bandeira/Objetos Inanimados)

Brigas por política só ajudam a desviar do que realmente importa (Reprodução Guilherme Bandeira/Objetos Inanimados)

Falta pouco menos de um mês do início oficial da campanha política no Brasil, mas os nervos já estão à flor da pele há muito tempo. Para algumas pessoas, desde a campanha eleitoral de 2014. Este ano, porém, o cenário está ainda mais volátil com redes sociais, grupos de whatsapp e as famigeradas fake news. Para tentar manter a cordialidade nos meses vindouros, uma boa pedida é a Comunicação Não Violenta, conceito que será apresentado em Maceió em curso na próxima sexta (15) e sábado (16).

A Comunicação Não Violenta (CNV) é um novo modo de viver evitando dinâmicas classificatórias, dominatórias e desresponsabilizantes, que rotulem ou enquadrem os interlocutores ou terceiros. Ela enfatiza a importância de determinar ações à base de valores comuns, com a distinção entre observações e juízos de valor, sentimentos e opiniões, necessidades (ou valores universais) e estratégias, pedidos e exigências ou ameaças.

A CNV ajuda a enxergar uma continuidade entre as esferas pessoal, interpessoal e social, e proporciona formas práticas de intervir nelas.

Para introduzir a capacitação em CNV e Sistêmica das Relações em Alagoas, o Instituto Onukisan, em parceria com o Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec) do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) traz para Maceió, nos dias 15 e 16 de junho, o especialista em CNV, Marcelo Pelizzoli, que vem compartilhar sua extensa experiência acadêmica e prática sobre o tema.

Além das ocupações educacionais, Pelizzoli se coloca na prática da busca efetiva da CNV, às vezes em lugares aonde ninguém vai, como nos encontros que mantêm com os presos do Complexo Prisional do Curado, antigo Presídio Aníbal Bruno em Recife (PE). Nesses momentos ele vai armado com um violão e todas as ferramentas da CNV e das Constelações Sistêmicas Familiares.

Ele concedeu entrevista para O DIA MAIS e apresentou os principais conceitos sobre a Comunicação Não Violenta. Confira:

Quando foi desenvolvido e em que consiste o método da Comunicação Não Violenta?

No final dos anos 1960, em meio aos conflitos pelos direitos civis americanos, o psicólogo Marshall Rosenberg, estudioso da comunicação humana e das relações de conflitos, criou o método para mapear, através da comunicação, os obstáculos que causam conflitos e identificar como falar de uma forma correta e como ouvir verdadeiramente.

 Em que a CNV pode ser aplicada?

Inicialmente foi concebida para aplicação nas famílias e escolas. Mas pode ser aplicada em qualquer ambiente profissional ou social. Hoje o método da CNV é aplicado nas relações de política, em conflitos internacionais e mediações na prática da justiça. Também é aplicada em empresas de diversos setores, como tecnologia, cosméticos, entre outras. É crescente o interesse na aplicação do método tanto no ambiente corporativo como nas relações pessoais, de grupos e instituições.

Qual o princípio-chave da CNV?

É a capacidade de escuta e a necessidade de conexão entre as pessoas, com o objetivo de se entender e querer corrigir os erros, sofrimentos e as necessidades mútuas, utilizando uma comunicação que leve em conta a observação, o sentimento, a necessidade e a forma de pedir.

Professor Marcelo conduz trabalho em CNV no Recife (Foto: Divulgação)

Professor Marcelo conduz trabalho em CNV no Recife (Foto: Divulgação)

O que a CNV busca?

Que as pessoas tomem consciência da forma como se comunicam, os problemas enormes que existem e nem são percebidos no modelo de comunicação e relacionamento. Depois da tomada de consciência, vamos em busca da correção desse padrão utilizando uma comunicação que vá na direção daquilo que as pessoas precisam, prestando atenção ao que cada um sente e corrigindo a forma de pedir, que não se dará mais por ameaças ou exigências, entre outros.

O que será abordado neste curso em Maceió?

O curso em Maceió vai nessa direção. Vamos utilizar ferramentas de avaliação da nossa capacidade e qualidade de escuta, mapear os problemas mais comuns e fazer estudos de caso. Teremos a teoria e a prática mostrando a forma correta, efetiva e conectiva de se comunicar e criar e manter bons relacionamentos.

Em relação à parte sistêmica é que iremos também analisar como nossos sistemas familiares influenciam nos nossos relacionamentos e na nossa comunicação.

Para que tipo de público este curso é destinado?

Em princípio para os profissionais da educação, psicologia, os que trabalham com a justiça ou relações de família, mas o curso é aberto, e sem dúvida de grande valia, para todas as pessoas que se interessam em melhorar a comunicação e a forma de se relacionar, seja no ambiente pessoal ou profissional.

 

Sobre Marcelo Pelizzoli

Phd em Filosofia e pós-doutor em Bioética, músico, constelador sistêmico, professor, escritor, coordenador do Espaço de Diálogo e Reparação da UPPE, facilitador e co-coordenador do Projeto de Implantação da Justiça Restaurativa na Vara da Infância e Juventude de Pernambuco.

Sobre o curso

A carga horária do curso é de 16 horas e as aulas acontecem nos dias 15 (sexta) e 16 (sábado) de junho, das 8h às 18h.

Informações: (82) 9.9938.0063 e (82) 3028.0577 ou pelo site  cursocomunicacaonaoviolenta.onukisan.com.br

 


Comentar usando