, Sábado - 23 de Junho de 2018

 

Cabelo e gravidez: saiba o que se pode fazer nesta fase

/ 11:24 - 30/05/2018

Durante a gestação, o cabelo tende a ficar mais bonito e sedoso, o que não quer dizer que você pode sair aplicando qualquer tipo de química neles


Agestação é um período de mudanças e surpresas que ocorrem no corpo todo, interna e externamente. Estas alterações ocorrem inclusive nos cabelos, que passam a ficar mais bonitos, cheios e sedosos. Segundo a dermatologista Dra. Thais Pepe, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Academia Americana de Dermatologia, isso ocorre devido ao modo como a gravidez afeta os hormônios femininos e o ciclo de desenvolvimento do cabelo.

“Durante os nove meses de gestação, o estrogênio e a progesterona aumentam na circulação sanguínea e afetam os folículos capilares, causando a diminuição da oleosidade e da queda e promovendo fios mais sadios e bonitos. Além disso, devido ao aumento dos níveis de estrogênio nesse período, os fios permanecem em sua fase anágena, ou seja, em fase de crescimento, tornando o cabelo mais espesso e volumoso.

Mas, por causa da revolução provocada pelos hormônios no corpo da mulher grávida, é preciso tomar alguns cuidados com os cabelos durante estes nove meses da gestação. Por exemplo, apesar de não existirem estudos que comprovem a total segurança ou risco de tingir o cabelo na gravidez, a tintura deve ser evitada durante todo o primeiro trimestre.

“Caso você pretenda realizar a mudança de cor das madeixas, deixe para fazer a partir do segundo semestre e evite colorações com amônia, pois esta substância pode causar riscos ao bebê como malformação. O recomendado então é que você utilize tonalizantes aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e evite o contato da tintura com a raiz dos cabelos”, completa a médica.

Além da amônia, outras substâncias como o benzeno, o formol e metais pesados, como chumbo, alumínio e cobre, muito comuns em alisamentos e permanentes tradicionais, também devem ser evitadas.

“Os métodos que mudam a estrutura da fibra capilar necessitam de agentes químicos agressivos, como o formol, que são teratogênicos, ou seja, podem gerar defeitos no feto, além de serem tóxicos e até cancerígenos”, alerta a especialista. “Então, como alternativa ao alisamento, você pode optar pelo uso da chapinha e secador, já que os métodos físicos não representam riscos a gestante e ao bebê.”

E, segundo a especialista, o ideal é que os produtos sejam evitados mesmo depois da gestação, pelo menos até o fim da amamentação, pois, apesar de não haver estudo que comprove a passagem dessas substâncias para o leite materno, existe a chance de elas provocarem manifestações alérgicas como irritação, coceira, vermelhidão e até reações anafiláticas.

“Porém, devido à falta de provas conclusivas sobre os males dessas substâncias na gestação, o mais importante é que você consulte um médico antes de fazer qualquer tipo de procedimento. Apenas ele poderá avaliar seu caso e apontar qual a alternativa mais segura a ser realizada”, finaliza a Dra. Thais Pepe.


Comentar usando