, Quarta-Feira - 19 de Setembro de 2018

 

Alagoana Marta comemora 31 anos

/ 1:02 - 20/02/2017


 |

Dona da camisa 10 da Seleção Brasileira Feminina e de tantas marcas recordes no futebol, Marta comemorou 31 anos no domingo, 19. Nascida na cidade de Dois Riachos, em Alagoas, a atacante conquistou o mundo com seu estilo versátil, veloz e carismático com a bola nos pés. Foi eleita a melhor jogadora do mundo cinco vezes pela FIFA, mas, acima de tudo, abriu portas para o esporte que vão além das fronteiras.

O início de Marta no futebol foi jogando em campos de várzea. Precisou driblar mais do que as adversárias em campo para conquistar seu espaço nos gramados Brasil afora, e com a determinação de quem sabe o potencial que tem, chegou à Seleção Brasileira ainda menina. Em 2002, a jovem promissora foi apresentada à amarelinha e dali em diante se acostumou a representar o time nacional.

Com apenas 18 anos, Marta mostrou talento nos Jogos Olímpicos em Atenas 2004 e levou o Brasil à inédita medalha de prata. As conquistas na vitoriosa carreira estavam apenas começando. Ao longo dos 15 anos vestindo a camisa canarinho, guardou em sua coleção outra medalha de prata olímpica (2008), dois títulos do Pan-Americano (2003 e 2007), um vice-campeonato mundial (2007), além de momentos inesquecíveis.

Referência em sua geração, a alagoana sempre justificou em campo o reconhecimento que lhe é dado. Em 2015, a número 10 do Brasil fez história mais uma vez e bateu o recorde de gols marcados em todas as edições de Copa do Mundo de Futebol Feminino com 15 bolas na rede ao longo dos anos. Por tantas contribuições ao esporte, foi a primeira mulher a eternizar seu nome na Calçada da Fama do lendário Maracanã.

A sintonia de Marta com o gingado brasileiro de se jogar futebol encantou os torcedores de Norte a Sul do país que passaram carinhosamente a chamá-la de Rainha. Entre lances de efeito, passes importantes e gols marcantes, Marta não hesita em demonstrar a alegria que sente ao vestir a camisa do Brasil. E o sentimento de quem a acompanha é recíproco.

Foto: Fernando Torres / CBF

Texto: FAF


Comentar usando