Bom Dia!, Quarta-Feira - 19 de Setembro de 2018

 

27 mil áreas com risco de desastres são habitadas no Brasil

Correio Braziliense / 11:20 - 29/06/2018

Segundo um estudo divulgado pelo IBGE, maioria das ocorrências de enchentes e deslizamentos de terra acontecem nesses lugares


Minas Gerais e São Paulo concentram o maior número de áreas de risco habitadas no país. A conclusão é de um estudo inédito divulgado pelo Instituto de Geografia e Estatística (IBGE) em parceria com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden). Juntas, essas unidades da Federação somam 3.071 áreas perigosas, sob risco de enchentes e deslizamentos de terras, por exemplo. O Brasil tem 27.660 regiões nestas condições.
20180627182627434347o
Segundo o IBGE, a identificação e a caracterização da população residente nestes locais são informações geográficas fundamentais para subsidiar ações de redução de danos humanos, ambientais, sociais e econômicos para o planejamento e prevenção de desastres naturais. No país, 8.270.127 habitantes vivem nestas condições.
Goiás se destacou como o estado com menor população nessas áreas, com 871 pessoas. A cidade de Anápolis, distante 150km de Brasília, tem o maior número de população exposta em áreas de risco a desastres no estado, com 393 moradores (0,1% da população total do município), seguido de Novo Gama, com 143 moradores (0,2% da população total do município).
A região Centro-Oeste apresentou o menor contingente de população residindo em áreas de risco. Dos 19 municípios monitorados, nenhum ultrapassou o total de 2 mil habitantes em regiões perigosas. O Mato Grosso do Sul registra o maior número de habitantes em áreas do tipo, com 4.431pessoas. A pesquisa não traz índices do DF, porque a unidade da Federação não tem áreas monitoradas pelo Cemaden.
O ranking do IBGE coloca o Sudeste em primeiro lugar em quantidade de pontos com ameaça: 17.175 regiões; em seguida, aparece o Nordeste, com 5.471; o Sul tem 3.402; o Norte 1.553; e no Centro-Oeste, 59. Áreas de risco são regiões onde não é recomendada a construção de casas ou instalações, pois são muito expostas a desastres naturais, como desabamentos e inundações. As mais perigosas são aquelas sob encostas de morros inclinados ou à beira de rios.
O coordenador de Geografia do IBGE, Cláudio Stenner, explica que a moradia em áreas de risco está ligada quase sempre à precarização socioeconômica. “No processo geral de urbanização do país, sobrou para as classes menos favorecidas viver em encostas, em locais distantes dos grandes centros. Conseguimos agora mapear onde estão essas pessoas para que sejam definidas políticas públicas para esses locais. Isso que gerou esses números de milhares de pessoas em áreas de risco”, defende o pesquisador.

Serviços básicos

O panorama traça, ainda, o deficit de serviços como abastecimento de água, coleta de lixo, condições de domicílio e esgotamento sanitário. O saneamento básico apresenta o pior índice entre todos os serviços avaliados pelo monitoramento. No país, 22,7% dos domicílios têm condições sanitárias inadequadas. As piores situações são no Amapá e no Tocantins, com 72,3% e 70,7% de habitações inadequadas, respectivamente.
No Brasil, 10% dos domicílios têm fornecimento de água inadequado. O pior estado é o Pará, onde o índice chega a 35,7%. O Maranhão tem a segunda cobertura mais baixa: 26,5%. A melhor está em São Paulo: 97,1%.
A situação da coleta de lixo em 7,2% dos domicílios brasileiros é precária. O Maranhão tem a pior estatística: 34,4%. Pará e Piauí aparecem em seguida com 21% das habitações sem recolhimento de detritos adequada.
A pesquisa conclui que mais de 1,6 milhão de pessoas vivem em domicílios que estão em aglomerado subnormal — onde se tem irregularidade das vias de circulação e do tamanho e forma dos lotes e carência de serviços públicos essenciais (como coleta de lixo, rede de esgoto, rede de água, energia elétrica e iluminação pública). O Rio de Janeiro aparece em pior destaque: 552.979  moradores nesta situação.

Comentar usando